Descubra Lisboa a bordo do Elétrico 28


Do Castelo de São Jorge, passando pelos artesanatos da Alfama aos bares e restaurantes pulsantes do Chiado, o melhor meio de visitar Lisboa histórica é a bordo do bonde turístico, conhecido por Elétrico 28, a linha mais popular da capital portuguesa.

Vista do Bonde 28, também conhecido como Elétrico 28 | Foto: Marília Caride

O Elétrico 28, além de ser um transporte muito turístico na cidade, é também uma forma de locomoção no dia a dia dos lisboetas. Ele parte da Praça Martim Moniz, na região central, com destino ao campo de Ourique, no bairro de Prazeres. São cerca de 36 pontos, como Praça Luis Camões, Chiado, Sé, Limoeiro, Miradouro de Sta. Luzia, Graça, entre outros.

O valor da passagem é 2,90 € (uma perna) ou a partir de 6,30 € o viajante pode embarcar e desembarcar no bonde quantas vezes quiser dentro de 24 horas, período de validade do bilhete, para poder explorar melhor os bairros por onde o Elétrico passa. Pelo caminho, e possível visitar o Castelo de São Jorge e, do Miradouro, ter uma vista panorâmica da cidade, do Rio Tejo e sob ele a Ponte 25 de Abril, um dos cartões postais da cidade.

Rio Tejo e Ponte 25 de abril
Ponte 25 de Abril sob o Rio Tejo | Foto: Marília Caride

Depois, o bonde desce pelas ruas medievais de Alfama para o bairro antigo da Baixa, passando pela Catedral da Sé e Igreja de Santo Agostinho, duas atrações indispensáveis. A viagem segue pelo reduto boêmio da cidade, o Chiado, que abriga bares, restaurantes, cafés e danceterias, além de galerias, certamente vale a pena a parada.

Chiado e o reduto boêmio de Portugal
Noite agitada nas ruas no Chiado | Foto: Marilia Caride

A última parada é no Campo de Ourique, onde é possível conhecer o mercado local que vende uma variedade de alimentos desde frutas a frutos do mar. O local possui opções para quem deseja fazer uma boquinha rápida por lá ou até mesmo degustar diversos rótulos de vinhos portugueses.

Volta ao passado

Junto com uma rota cênica, os carros em si também são considerados parte da experiência. Muitos dos bondes de Lisboa, incluindo alguns utilizados na rota do Eléctrico 28, são os mesmos que foram utilizados na Segunda Guerra Mundial.

Naquela época, existiam 27 linhas de bonde, das quais hoje só restam cinco. A Carris, que administra o serviço dos bondes, mantem os veículos da mesma maneira para preservar a história e o legado do principal meio de transporte da década de 50.

Serviço

Os ingressos podem ser adquiridos a bordo e nos quiosques da cidade. Para mais informações sobre itinerario e horario de funcionamento, visite o site de transportes de Lisboa http://www.carris.pt/fotos/editor2/af_tarifas_a4_horizontal_2018.pdf.

 









Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*